terça-feira

Se's

Se fosse tão fácil matar a saudade, como fazer o telefone tocar.
Se fosse tão fácil impedir de falarem o que não se quer ouvir, como carregar no botão vermelho para desligar.
Se fosse tão fácil mudar, como ajustar uma nova imagem ao fundo de ecrã.
Se fosse tão fácil não perder, não deixar ir, como ligar à ficha para recarregar a bateria.
Se fosse tão fácil apagar as acções, como esvaziar a caixa de entrada. 
Se fosse tão fácil viver em silêncios, como alterar para o modo silencioso.
Se fosse tão fácil não destruir segredos, como colocar um código no telemóvel.
Se fosse tão fácil realizar os desejos, como pressionar o botão "enviar". 


Se tudo isso fosse tão fácil, eu não tinha o coração a estalar agora, como se fosse um vidro quente, que corta, que corta por dentro; com ritmos descontrolados e quase a sair fora do peito de tão apertado, de tão sufocado: por falta, por falta de oxigénio, por falta de partilha de respiração (...) Se um dia te magoar não é porque quis, mas porque teve de ser.