terça-feira

Labi(rint)os


Andava nesses minuciosos caminhos, com entradas e saídas múltiplas, que me desorientavam, que me confundiam, cada vez mais. Tinha medo sim, sempre fui "insegura", principalmente quando não te tinha. E eu sabia que estavas ali, eu sabia que o astro-rei, o sol, que me tirava do "escuro", estava ali, no meio de todos os "fantasmas da minha voz". Mas eu não conseguia encontrar-te em qualquer lugar… perguntava-me onde te tinhas escondido, e não tinha resposta, só conseguia ouvir os meus ecos perdidos, ver todas as minhas sombras desaparecidas, e sentir o meu delicado coração a chamar por ti. Encontrei-te. Após seguir todos os caminhos unidireccionais, após encostar-me às paredes e esperar por ti, após levantar e (re)procurar-te, cheguei ao ponto central, cheguei a ti. Estendi os meus braços, e os meus pés deixaram o chão. Acho que voei. O coração fica a mil, e agora que estou contigo, estou feliz. Fazes-me bem. E onde quer que tu tenhas ido e para onde vais… é onde podemos ir, é onde podemos ficar (…)