quinta-feira


'Alguma coisa sempre me traz de volta a ti. Nunca demora muito. Não importa o que eu diga ou faça eu ainda te sentirei aqui até o momento em que eu partir.Tu seguras me sem o toque. Tu prendes me sem correntes. Nunca quis tanto algo, quanto mergulhar em teu amor e não sentir a sua tempestade. Liberte-me, deixe-me estar. Eu não quero cair mais uma vez na tua gravidade. Aqui estou e estou elevada da maneira que deveria ser. Mas tu estás dentro de mim e ao meu redor. Tu amas me porque sou fraca, quando pensava que era forte. Mas quando tu me tocas por alguns instantes toda a minha força frágil vai embora. Eu vivo aqui de joelhos, de maneira a fazer te ver o que tu és e tudo o que eu penso precisar aqui no chão... '

Sara Bareilles - Gravity

1 comentário:

Rui disse...

“Zofia,
Vejo-te a dormir e, Deus, como tu és bela! Voltas-te nesta última noite a tremer, aperto-te de encontro a mim, coloco o meu casaco por cima de ti, desejaria poder colocar um sobre todos os teus invernos. O teu semblante está tranqüilo, acaricio a tua face e, pela primeira vez na minha existência, estou triste e feliz ao mesmo tempo.
É o fim do nosso momento, o princípio de uma recordação que, para mim, durará pela eternidade. Havia em cada um de nós tanto de realizado e tanto de inacabado quando estávamos juntos!
Partirei ao romper do dia, afastar-me-ei passo a passo, para aproveitar ainda cada segundo de ti, até ao último instante. Desaparecerei atrás desta árvore para me submeter à razão do pior. Deixando-os abater-me, anunciaremos a vitória dos teus e eles perdoar-te-ão, sejam quais forem as ofensas. Volta, meu amor, volta a essa casa que é a tua e que tem tudo a ver contigo. Gostaria de tocar as paredes da tua morada com cheiro a sal, ver das tuas janelas as manhãs romperem em horizontes que não conheço, mas que sei que são os teus. Conseguiste o impossível, mudaste uma parte de mim. Desejaria que a partir de agora o teu corpo me cobrisse e nunca mais visse a luz do mundo a não ser pelo prisma dos teus olhos.
Onde tu não existes, eu não existo. As nossas mãos juntas inventavam uma de dez dedos; a tua ao pousar em mim passava a ser minha, de tal modo que quando os teus olhos se fechavam, eu adormecia.
Não fiques triste, ninguém poderá roubar as nossas recordações. Daqui em diante, basta-me cerrar as pálpebras para te ver, deixar de respirar para sentir o teu cheiro, enfrentar o vento para adivinhar o teu hálito. Agora escuta: onde quer que esteja, ouvirei as tuas gargalhadas, verei os sorrisos nos teus olhos, ouvirei os sons da tua voz. Saber simplesmente que tu estás nalgum sítio nesta terra será, no meu inferno, o meu cantinho de paraíso.
És o meu Bachert,
Amo-te
Lucas”

Bj....
anonimo....